Palavra do Presidente

Um Plano para o Brasil vencer o atraso*

O Brasil precisa investir R$ 1,7 trilhão para recuperar, ampliar e modernizar a infraestrutura nacional de transporte. É o que indica o Plano CNT de Transporte e Logística 2018, que estamos apresentando aos candidatos à presidência da República.

Seja qual for a sua orientação política, ao tomar posse em janeiro de 2019, o novo presidente do Brasil terá que adotar medidas urgentes para tirar o país do atual quadro de paralisia econômica.
Realizar fortes investimentos em infraestrutura é a estratégia mais segura para impulsionar o setor produtivo, recolocar 13 milhões de desempregados e reativar o consumo interno.

A infraestrutura de transporte é fundamental para a retomada da dinâmica econômica. Essa é uma área transversal, da qual todos os setores produtivos dependem, seja para acessar matérias-primas, tecnologias e mão de obra qualificada, seja para escoar a produção.

O Plano elaborado pela CNT recomenda a execução de mais de 2.600 projetos rodoviários, ferroviários, aquaviários e aéreos com a finalidade de melhorar a infraestrutura utilizada pelos transportadores, aumentar a qualidade dos serviços prestados aos usuários e criar ligações mais eficientes entre os pontos de origem e destino para reduzir os custos do transporte no Brasil.

O que se pretende é construir uma base sólida sobre a qual o Brasil possa se desenvolver sem entraves. O Plano vislumbra a integração entre as zonas de produção e de consumo interno; projeta a ampliação do acesso aos pontos de exportação; e prevê uma melhora significativa da mobilidade nos centros urbanos por meio de um sistema intermodal ágil e eficiente.

É evidente que, sozinho, o Estado não conseguirá realizar os aportes necessários para tirar o país do atraso. A sociedade impõe ao setor público demandas de toda ordem que competem entre si por um orçamento cada vez mais limitado e inflexível.

Essa é uma equação que o futuro presidente da República deverá resolver criando um ambiente favorável ao investimento privado em obras públicas. Para isso, é preciso oferecer segurança jurídica, bons projetos e condições atraentes de retorno do capital investido. Só assim os investidores nacionais e estrangeiros voltarão a acreditar no Brasil.

Ao longo da campanha eleitoral, será possível identificar o projeto mais responsável e viável de desenvolvimento econômico e social para o país. Basta observar como os postulantes tratam o desafio da infraestrutura nacional. Aquele que assumir um claro compromisso com a realização de fortes investimentos em transporte e com as reformas de modernização do Estado terá mais chances de cumprir suas promessas.

A CNT, em nome dos transportadores, acompanha de perto o processo eleitoral, oferecendo contribuições, participando dos debates e se posicionando sobre as principais questões que afetam o setor e a vida dos brasileiros.

Este é um momento de mobilização de todos os esforços para garantir que a proposta política vencedora nas urnas seja a melhor para o Brasil e para os brasileiros.


Clésio Andrade

Presidente da Confederação Nacional do Transporte

* Os artigos do presidente da CNT são publicados mensalmente na Revista CNT Transporte Atual​